Buscar  
CULTURA

Por que preservar?

Texto n.º 01/2017 - Patrimônio Cultural




Aqui começamos uma série de publicações em parceria com o Portal Miradouro, a fim de refletirmos sobre nosso papel social e nossa contribuição na preservação de nossa cultura.  Quando ouvimos a palavra preservação logo fazemos associação ao meio ambiente, assunto de extrema importância, muito debatido na atualidade e muito veiculado pelas mídias. Porém o objetivo é abordar e ressaltar a importância de outro campo de preservação que é a do patrimônio cultural. Afinal o que constitui o patrimônio cultural de nossa cidade? E por que preservá-lo?

            

Uma vez que toda cidade tem história, e essa história muitas vezes não está nos livros estudados na educação formal, é importante lembrar que a nossa história local é muito importante para a construção da identidade de nosso povo. Dessa forma ao preservar nosso patrimônio cultural estamos lutando pela manutenção de nossa identidade cultural. Estamos dando continuidade a tudo aquilo que foi e é importante para nós.

            

Os bens culturais que constituem o patrimônio de Miradouro não é uma simples coleção de antiguidades que o tempo foi deixando para trás, eles são responsáveis pela continuidade histórica de nossa terra e ultrapassa gerações. A preservação desse tipo de patrimônio é um convite ao saber e à reverência, e ele está em qualquer classe social. O trabalho de preservação é uma forma de proteção a toda ação descaracterizadora, e quando a preservação é valorizada, uma cidade mostra que algo é de grande importância para a história local.  Todos são essenciais e podem trazer muitas contribuições, pois nossa identidade, quem nós somos, está intimamente ligada às formas de expressão, ao nosso modo de viver, criar e fazer, considerando cada indivíduo que faz parte de nossa coletividade.

            

Aqui, fica um convite a todo miradourense, para que possamos numa ação conjunta tornar a valorização do patrimônio cultural de Miradouro um elemento que possa dar vida à identidade cultural comum, promovendo ações que possam perpetuá-lo no tempo. Como preservar o passado não impede que o futuro seja construído, o que pretendemos é trazer para o COLETIVO nossa história, nossa memória, nossa gente, nossos saberes e nossa forma de pensar e fazer cultura, para que ao preservar nosso patrimônio cultural, nós possamos enxergar quanta riqueza foi deixada por nossos antepassados.


Toda contribuição é muitíssimo bem vinda, você pode nos ajudar a registrar nossa história. Faça-nos uma visita, a Casa de Cultura espera por você no endereço: Av. Jk, n.º 80 - Bairro São Pedro; ou pelo e-mail: cultura@miradouro.mg.gov.br, ou pelo telefone: 3753 -1905.



Renato Mata

Secretário Municipal de Cultura e Turismo

Miradouro/MG

 ________________________________________________________________________________


                                  IMPORTÂNCIA DA PRESERVAÇÃO

Texto n.º 02/2017 - Patrimônio Cultural




Preservamos tudo aquilo que para nós é significativo. Os papéis guardados naquela caixinha, o brinquedo preferido, as fotos que marcaram momentos especiais, os móveis que remetem a lembranças, os objetos que carregam algum afeto... Isso nos ajuda a construir nossa identidade pessoal, bem como a identidade dos grupos a que pertencemos ou já fizemos parte. Se guardamos as memórias que são importantes no meio familiar, por que não garantir o mesmo em relação ao que é coletivo? Histórias são importantes e definem cada um de nós. Se não valorizamos, guardamos ou registramos nossas histórias, elas se perderão com o tempo e assim ficará um vazio, uma ausência que compromete o entendimento sobre nós mesmos.


A preservação do nosso patrimônio cultural é que nos garante o direito ao acesso à memória individual e coletiva. Por meio dela busca-se conservar e exercer o direito à cidadania também. Quando preservamos nossa história estamos garantindo um direito de nossos descendentes, e isso é fundamental para que as futuras gerações consigam entender o passado. Com a prática da preservação vamos entendendo nosso papel na sociedade em que vivemos. Ao fazê-la não estamos fechando "as portas" para o "moderno', mas sim permitindo que bens, sejam eles materiais ou imateriais que foram importantes para a construção da identidade da sociedade miradourense não se percam no tempo.


Alguém imagina o carnaval de Miradouro sem o Bloco do Boi? Alguém imagina que ao descer o "Morro do Quebra" por ali passaram muitas histórias? Alguém imagina a origem do nome da Rua do Sapo? Essas questões enriquecem nosso imaginário, são partes de nossa cultura e merecem ter muito significado para nós. Quem sabe assim passaremos a conhecer melhor; e conhecendo melhor, passaremos a amar; e passando a amar, nasça um forte desejo de preservar.


Tudo isso está ligado ao nosso papel de verdadeiros cidadãos, uma vez que ao preservar o nosso patrimônio cultural estamos dando continuidade à nossa história e assim teremos a certeza de que Miradouro é o que é devido a tudo que aqui se passou. Assim como cada um de nós é o resultado de todas as histórias vividas.


Contamos sempre com a contribuição de todos para que possamos registrar nossa história. Faça-nos uma visita, a Casa de Cultura espera por você.


Renato Mata - Secretário Municipal de Cultura e Turismo


Vânia Freitas - Professora de História da Rede Municipal

 

15/06/2017


E-mail: cultura@miradouro.mg.gov.br

Tel: (32)3753 - 1905

End.: Avenida Juscelino Kubitschek, 80 Bairro São Pedro - Miradouro/MG


___________________________________________________________________


FOCOS DE LUZ 


Texto n.º 03/2017 - Patrimônio Cultural



Há duas semanas o site Portal Miradouro vem publicando artigos que fazem referência à importância de preservarmos nosso patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial. 


A iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo vai ao encontro de uma preocupação mundial que começou na França após a Revolução de 1789 e que ganhou força a partir de 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, quando foi criado o organismo multilateral - a UNESCO - braço das Nações Unidas para a educação, ciência e cultura. 


Nesse contexto foi assumida a missão de defender os bens culturais considerados patrimônio da humanidade. Em Minas Gerais, por exemplo, a cidade de Ouro Preto, uma das maiores riquezas do estado, é tombada pela UNESCO como patrimônio cultural da humanidade. O tombamento é uma deferência, ou seja, uma atitude de respeito e consideração devido à importância histórica.


A partir daí, a maioria dos países passaram a criar leis a fim de proteger seu patrimônio histórico. Nesse trabalho de reeducação voltado para a importância de nossas memórias, o mais importante é refletirmos sobre a necessidade e a grandiosa ajuda que será a contribuição de cada um para que possamos trazer para o coletivo, para o conhecimento de toda a sociedade, as preciosidades que ainda estão quietinhas em algum lugar.



Por entender que é um trabalho de grande relevância para o município, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo tendo em sua gestão Renato Mata, em parceria com a Secretaria de Educação tendo em sua gestão Hérica Regina Ferreira, propuseram inicialmente aos professores de História e Geografia da rede municipal a criação de mini projetos que contemplassem o tema. 


Assim juntamente com alunos e comunidades locais, busca-se o resgate de algum patrimônio histórico miradourense para que o mesmo não corra o risco de se perder. A intenção é justamente esta: "lançar luz", clarear nossa identidade e nos fazer sentir que pertencemos a um lugar rico em história. E histórias lindas de reviver e viver.



A proposta também foi feita às supervisoras e, posteriormente, a todos os professores da rede municipal, afinal é somando forças que o trabalho em equipe fica mais rico. E trazendo outros olhares nossa cidade sairá ganhando muito mais. A preocupação em preservar será cultivada pelos alunos que por sua vez envolverão as famílias e assim trabalharemos para que toda a sociedade esteja envolvida.


O assunto pode parecer novo, ou até de pouca importância; é algo a ser resolvido a longo prazo e dependerá do esforço de cada um, por isso contamos com a colaboração de todos, para que juntos possamos colocar nossa história e nossas memórias sob um imenso FOCO DE LUZ. 




Faça-nos uma visita, a Casa de Cultura espera por você.

Renato Mata - Secretário Municipal de Cultura e Turismo

Vânia Freitas - Professora de História da Rede Municipal

22/06/2017

E-mail: cultura@miradouro.mg.gov.br


Tel: (32)3753 - 1905


End.: Avenida Juscelino Kubitschek, 80 - Bairro São Pedro - Miradouro/MG



___________________________________________________________


Sobre nossa gente...


Texto n.º 04/2017 - Patrimônio Cultural






Nesta abordagem, busco refletir sobre a importância do nosso passado e com isso a importância de nossa gente, assim como toda contribuição e legado deixados para nós hoje. O que faremos com preciosidades na condução de nossa história, na loucura da correria da vida diária? "A questão da memória impõe-se por ser a base da identidade, é pela memória que se chega à história local". Nessas palavras da historiadora Circe Maria Fernandes Bittencourt, ficamos diante do que para nós é de suma importância: a história local. E o que fazer com ela? De que forma podemos nos apropriar dela? Por enquanto fica um convite: visitar nossa história onde ela se encontra.



 

Pensando nisso, vamos falar brevemente de duas personalidades importantíssimas para nossa cidade: O Sr. José Alcino Bicalho e o Sr. Antônio Lopes de Faria Sobrinho. Diante de tantas contribuições e qualidades, salientarei apenas a maestria de ambos no uso das palavras. Um poeta e o outro redator- pesquisador-historiador.


Reproduzindo as palavras do desembargador Eduardo Andrade no livro Poesia a Destempo, temos "J.A.B. , numa época tão carente de poetas, vem , do alto dos seus 87 anos - tem orgulho deles - brindar-nos com poesia e boa poesia. (...) É poeta de tema múltiplo, de poesia livre, sem perder a sofisticação, e prova que a diferença entre prosa e poesia é que aquela é injeção no músculo, de efeito retardado; esta, injeção na veia, de efeito imediato." De forma sucinta, eis a descrição da bela obra.


Em relato do Sr. Manoel Lopes de Faria Homem, na página 07 e 08 do Miradouro - Jornal, edição de abril e maio de 1960, temos acerca do filho Antônio Lopes: " (...) nessa ocasião ainda como agente Municipal de Estatística (...) foi convidado a fazer parte do diretório do conselho de Geografia e estatística do Glória, donde fazendo pesquisas, inquéritos e outros dados para o serviço de estatística municipal, deliberou apresentar ao Conselho Nacional de Geografia , uma Monografia do Município do Glória, a fim de que servisse, não só de elementos informativos para o IBGE, como também de propaganda para o município recém criado." Imaginem esse trabalho em tempos em que não havia Google? Excelentes materiais para pesquisadores, estudiosos e apaixonados por Miradouro, com certeza. Um pequeno recorte e eis a importância da obra.


Diante dessas duas personalidades, quero reforçar a importância do trabalho de preservação de nosso patrimônio cultural e registrar a iniciativa do nosso 1º Sarau Literário/2017 - Tributo a José Alcino Bicalho, que acontecerá em julho. E a outra iniciativa, que acontecerá em agosto, recai sobre a importância da obra do Sr Antônio Lopes. Todas muito em breve serão divulgadas.


Faça-nos uma visita, a Casa de Cultura espera por você.


Renato Mata - Secretário Municipal de Cultura e Turismo


29/06/2017


E-mail: cultura@miradouro.mg.gov.br


Tel: (32)3753 - 1905


End.: Avenida Juscelino Kubitschek, 80 - Bairro São Pedro - Miradouro/MG


Visitas: 3929038 Usuários Online: 318


PORTAL TV


Parceiros









O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.
Copyright (c) 2020 - PORTAL MIRADOURO - Todos os direitos reservados